Internacional

  1. Notícias
  2. Internacional
  3. Bombardeios a Kharkiv deixam 21 mortos; Rússia diz ter tomado Kherson
Imagem: Serviços de Emergência da Ucrânia / Divulgação

Bombardeios a Kharkiv deixam 21 mortos; Rússia diz ter tomado Kherson

Ataques foram intensificados no sétimo dia da ofensiva russa; países voltam à mesa de negociações


Por Estadão Conteúdo

O centro de Kharkiv voltou a ser intensamente bombardeado pela artilharia russa na manhã (madrugada em Brasília) desta quarta-feira (2), no sétimo dia da ofensiva de Moscou contra o território ucraniano. Ataques aéreos causaram mortes em pelo menos duas cidades entre a noite de terça e a madrugada de quarta, enquanto tropas russas continuavam a avançar pelo país. Segundo militares russos, Kherson (sul) foi tomada.

Em meio às críticas do presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, sobre a escalada dos ataques em áreas urbanas populosas - o que foi definido por Zelenski como "uma campanha flagrante de terror" -, bombardeios russos mataram pelo menos 21 pessoas e feriram mais de 100 apenas em Kharkiv, segunda maior cidade do país, nas últimas 24 horas, de acordo com o governador regional Oleg Synegubov. Áreas residenciais e o prédio da administração regional foram atingidos por mísseis russos, segundo os ucranianos.

Outro bombardeio com mortes confirmadas atingiu a cidade de Zhytomyr. Quatro pessoas perderam a vida após uma área residencial ser atingida por um míssil de cruzeiro, que aparentemente era direcionado a uma base aérea próxima. De acordo com Anton Gerashchenko, conselheiro do Ministério do Interior, uma das vítimas seria uma criança.

"Putin está em guerra contra as crianças. Na Ucrânia, onde mísseis estão atingindo escolas infantis e orfanatos, e também na Rússia. David, de 7 anos, Sofia, de 9 anos, Matvey, de 11 anos, Gosha e Liza passaram a noite atrás das grades em Moscou por causa de seus pôsteres 'No to War'. Isso mostra o quão assustador esse homem é", escreveu Dmytro Kuleba, chanceler da Ucrânia, compartilhando fotos das crianças russas.

(Serviços de Emergência da Ucrânia / Divulgação)

Relatos da imprensa ucraniana apontam que alertas sobre ataques aéreos foram emitidos durante toda a madrugada em diferentes cidades do país. Em Kiev, Chernihiv, Sumy, Pyryatyn, Myrhorod e Dnipro, os moradores foram aconselhados a buscar abrigo.

Além dos bombardeios, tropas russas também avançaram pelo território da Ucrânia. No fim da madrugada, o Exército russo anunciou ter tomado o controle da cidade de Kherson, no sul do país. "Divisões russas das forças armadas assumiram o controle total do centro regional de Kherson", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Igor Konashenkov, em declarações transmitidas pela televisão.

"As negociações continuam com o comando russo e a administração local para resolver questões relacionadas à operação das instalações de infraestrutura social, bem como para garantir a ordem e a segurança da população", acrescentou, dizendo que não faltam alimentos na cidade para os civis.

Minutos antes, o prefeito da cidade, Igor Kolikhayev, havia indicado que a cidade ainda estava sob controle ucraniano -- apesar de ter admitido anteriormente que forças russas já controlavam os acessos para Kherson e tinham assumido o controle da estação de trem e do porto.

O exército russo também já conquistou o controle do porto de Berdyansk e está realizando uma dura ofensiva contra Mariupol, também no sul do país.

Em Kharkiv, tropas aerotransportadas da Rússia desembarcaram durante a madrugada. "Um grupo de paraquedistas russos desembarcou em Kharkiv", disse o centro operacional das Forças Armadas da Ucrânia em seu canal Telegram. Segundo o órgão, "os ocupantes atacaram o hospital, o Centro Clínico Médico Militar da Região Norte" e eclodiu uma batalha entre os invasores e os defensores ucranianos.

(Serviços de Emergência da Ucrânia / Divulgação)

Refugiados

A Comissão Europeia anunciou nesta quarta-feira que concederá autorizações de residência temporárias aos refugiados ucranianos e lhes concederá direitos à educação e ao trabalho nos 27 países da União Europeia. A medida ainda precisa ser aprovada pelos estados-membros - que já expressaram amplo apoio à medida no fim de semana passado.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que "todos aqueles que fogem das bombas de Putin são bem-vindos na Europa. Forneceremos proteção para aqueles que procuram abrigo e ajudaremos aqueles que procuram um caminho seguro para casa."

Apesar de recente, o confronto vem aumentando o número de vítimas a cada dia. Um balanço do Alto Comissariado das Nações Unidas para Direitos Humanos, divulgado antes dos confrontos da madrugada, apontava que 136 civis morreram desde o início da invasão russa, incluindo 13 crianças, e 400 civis foram feridos - 26 deles menores de idade. O número, de acordo com a própria ONU, devem estar subnotificado.

O último relatório dos militares russos sobre o avanço militar aponta que, desde o início da invasão, 1.502 alvos de infraestrutura militar ucraniana foram destruídos; 47 aviões foram obliterados ainda no solo (e 11 no ar); 472 tanques e outros blindados, bem como 62 lançadores de mísseis e 206 peças de artilharia e morteiros ucranianos foram destruídos.

Do lado ucraniano, uma estimativa das forças armadas indica que 5.840 soldados russos foram mortos em combate. 30 aviões e 31 helicópteros teriam sido destruídos, assim como 211 tanques, 355 carros, 862 veículos blindados, 85 peças de artilharia e duas embarcações. 

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais