Internacional

  1. Notícias
  2. Internacional
  3. Rússia intensifica ataques a Kharkiv; ONGs apontam uso de bombas de fragmentação
Imagem: Pixabay

Rússia intensifica ataques a Kharkiv; ONGs apontam uso de bombas de fragmentação

Quando o bombardeio começou, muitos moradores de Kharkiv faziam fila em mercearias para reabastecer os suprimentos


Por Estadão conteúdo

Autoridades ucranianas disseram que pelo menos 11 pessoas foram mortas e dezenas ficaram feridas na cidade de Kharkiv, no leste, na manhã desta segunda-feira (28), depois que a Rússia lançou foguetes contra a segunda maior cidade da Ucrânia. O ataque, que incluiu bombardeios e combates de rua, foi um dos mais intensos desde o início da invasão, na última quinta-feira, 24. ONGs denunciaram o uso de bombas de fragmentação na cidade.

Oleh Synehubov, chefe da Administração Estatal Regional de Kharkiv, disse nesta segunda-feira que "dezenas estão morrendo" e que a cidade já havia confirmado 11 mortes. Ele chamou os ataques de "um crime de guerra".

"O inimigo russo está bombardeando áreas residenciais inteiras de Kharkiv, onde não há infraestrutura crítica, onde não há posições das Forças Armadas da Ucrânia que os russos possam mirar", disse ele em mensagem no Telegram.

Quando o bombardeio começou, muitos moradores de Kharkiv faziam fila em mercearias e outras lojas para reabastecer os suprimentos depois de ficarem trancados por vários dias.

Mark Hiznay, diretor associado da divisão de armas da Human Rights Watch, disse ao The Washington Post que as forças russas usaram foguetes de munição cluster smerch, que dispersam submunições ou bombas no ataque. "Este ataque ilustra claramente a natureza inerentemente indiscriminada das munições cluster e deve ser inequivocamente condenado", disse ele.

A Human Rights Watch, a Anistia Internacional e o grupo de código aberto Bellingcat identificaram o uso de munições cluster em outros ataques russos na Ucrânia nos últimos dois dias, o que analistas dizem ser um sinal preocupante de que a Rússia pode estar se voltando para táticas militares ainda mais mortais.

"Como o plano de 'operação especial' de Putin para desmoralizar rapidamente o exército ucraniano e ocupar grandes cidades sem oposição parece ter falhado, podemos ver um retorno aos bombardeios de área, que causaram tantos danos aos civis chechenos e sírios", disse Conflict Intelligence Team, um grupo de inteligência de código aberto que monitora as forças armadas da Rússia, em um tweet pubicado na segunda-feira.

O prefeito de Kharkiv, Ihor Terekhov, disse mais cedo que o número exato de vítimas permanece desconhecido, mas que pelo menos 15 combatentes ucranianos e 16 civis ficaram feridos.

O conselheiro do Ministério do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko, escreveu em um post no Facebook na segunda-feira que "Kharkiv acaba de ser atacada massivamente por graduados" com "dezenas de mortos e centenas de feridos", informou a Reuters. Ele se referiu aos foguetes russos BM-21 "Grad" de 122 mm disparados de lançadores de foguetes múltiplos montados em caminhões.

As autoridades decretaram um toque de recolher para a cidade a partir da tarde desta segunda-feira.

Kharkiv, uma cidade de 1,5 milhão de pessoas a cerca de 40 quilômetros da fronteira com a Rússia, emergiu como um dos principais alvos de Moscou para avançar além do leste e chegar à capital da Ucrânia, Kiev.

Post verificou vídeos postados de explosões em um bairro do nordeste de Kharkiv. Os ataques ocorreram enquanto delegações russas e ucranianas conversavam na fronteira da Ucrânia com Belarus, um importante aliado russo.

Em dois clipes verificados, flashes de luz aparecem em rápida sucessão à medida que colunas de fumaça sobem do chão. Uma mulher observando a barragem chora em um deles.

Os bombardeios russos de Kharkiv começaram a acelerar na noite de sábado. Depois de dias de combates em grande parte em torno de Kharkiv, as forças russas tomaram a cidade brevemente no domingo, mas foram repelidas horas depois por combatentes ucranianos.

"As forças ucranianas travaram uma luta muito forte, mas o pior ainda está por vir", disse Michael Kofman, diretor de estudos da Rússia na CNA, uma organização de pesquisa e análise sem fins lucrativos com sede na Virgínia, ao The Post no domingo. "As forças russas ainda não tentaram levar Kharkiv, não a sério."

Ele alertou que, depois de enfrentar uma resistência ucraniana inesperadamente forte, a Rússia provavelmente aumentará sua campanha aérea contra Kharkiv, uma cidade densamente povoada.

"Na Ucrânia, agora, não há lugar seguro", disse Boris Redin, ativista em Kharkiv, ao The Post na segunda-feira. "E Putin tem que ser detido porque não haverá lugar seguro no planeta."

Sem acordo

As conversas entre autoridades russas e ucranianas terminaram sem avanços na fronteira de Belarus, nesta segunda-feira, 28, disse a agência de notícias estatal russa Tass, mencionando uma fonte.

As delegações russa e ucraniana concordaram com uma "segunda rodada" de negociações, anunciaram ambas as partes, após terminarem a primeira reunião e retornarem às respectivas capitais para novas consultas.

"As partes estabeleceram uma série de prioridades e questões que exigem algumas decisões", disse Mikhailo Podoliak, um dos negociadores ucranianos, enquanto o chefe da delegação russa, Vladimir Medinski, indicou que a nova reunião acontecerá "em breve" na fronteira entre a Polônia e Bielorrússia.

As delegações se reuniram por mais de cinco horas, nesta segunda-feira, na fronteira ucraniana-bielorrussa.

"Os partidos delinearam algumas questões prioritárias sobre as quais algum progresso está à vista", disse o assessor do gabinete presidencial ucraniano, Majail Podolyak, em um vídeo transmitido pelo Telegram.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais