Carregando...

Política

Imagem: Reprodução / Facebook

Denunciado por furar fila da vacina, Prefeito de Barão de Cocais pode ser preso

Décio Geraldo dos Santos (PSB) foi denunciado pelo Ministério Público pelo Crime de Responsabilidade

Por Lucas Rage

O prefeito de Barão de Cocais, Décio Geraldo dos Santos (PSB) foi denunciado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) por furar a fila da vacina contra a Covid-19.

Segundo o órgão, o prefeito e a esposa foram vacinados nos dias 15 e 25 de fevereiro de 2021, respectivamente, contrariando o Plano Nacional de Imunização e também o plano elaborado pela cidade, que previa prioridade apenas para os profissionais da saúde diretamente envolvidos no enfrentamento da doença.

“[O prefeito] com o poder de gerência sobre a política de vacinação e ciente das normas atinentes, decidiu ser vacinado, bem como determinou que sua esposa igualmente o fosse, em detrimento dos indivíduos que deveriam e mereciam receber a vacina em primeiro lugar”, afirmou em nota a Procuradoria de Justiça Especializada no Combate aos Crimes Praticados por Agentes Políticos Municipais.

Prefeito de justifica

Em sua defesa, o prefeito alegou que exercia a atividade de dentista quando foi vacinado.  De acordo com o Procedimento Investigatório Criminal aberto para apurar o caso, "não há nada demonstrando que tais serviços foram por ele realizados". Sobre a esposa, não foi juntado nenhum comprovante de que ela é dentista nem que estivesse exercendo a profissão na ocasião da vacinação, segundo o PIC.

Barão de Cocais recebeu, em 11 de fevereiro, a primeira remessa de 609 doses que deveriam ser aplicadas nos grupos prioritários (idosos e classe médica que atendia diretamente os pacientes acometidos pela Covid-19).

O MPMG requer condenação nas sanções do artigo 1º, I, do Decreto-Lei 201/67, que considera crime de responsabilidade apropriar-se de bens ou rendas públicas ou desviá-los em proveito próprio; e por duas vezes, na forma do artigo 69 do Código Penal. A pena prevista é de reclusão, de dois a 12 anos, por cada um dos crimes.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais