Carregando...

Política

Imagem: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Lira confirma votação da PEC do voto impresso ainda para esta terça

Presidente da Câmara dos Deputados disse ainda que se a PEC não passar, é favorável a estudar uma maneira mais segura de tornar os votos "mais auditáveis"

Por Marcello Oliveira

Em entrevista no fim da tarde desta terça-feira (10), o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP) confirmou que foi decidido pela votação da PEC do voto impresso ainda hoje, pois havia a possibilidade de que a matéria fosse adiada por ele em virtude do desfile com veículos blindados realizado na manhã de hoje, na Esplanada dos Ministérios

No encontro com a imprensa, em Brasília, ele evitou polemizar, mas opinou sobre a segurança das urnas eletrônicas. “Eu já participei de oito eleições, seis delas no sistema eletrônico; não posso, nem devo e nem tenho prova para dizer que o sistema não é o correto, mas eu sempre disse também que não custa nada nós chegarmos em um acordo pacífico entre os poderes de se aumentar a auditagem das urnas e lógico que eu torço para que não haja nem vencidos e nem vencedores, pois temos matérias bem mais importantes no Brasil como as reformas, as questões sociais, questões de pandemia, as questões de vacina, como as questões de fome, questões de emprego e o assunto predominantes é esse, então o intuito de trazê-la ao plenário é para que hoje nós tenhamos o resultado final desse assunto”, explicou a decisão.

O deputado disse, ainda, que entende a importância de ter mais uma forma de auditar os votos das eleições. “Se nós depois pudermos sentar e fazer com que, se não tiver êxito a PEC, tenha um sistema auditável, mais claro, mais transparente,que tire a dúvida da população, será benéfico para a democracia do país.... nós deveremos ter uma solução (para a votação) hoje”, finalizou. 

Desfile militar

O desfile militar foi recebido por deputados e senadores como uma tentativa de intimidar os congressistas no dia em que se discutirá a proposta que prevê o voto impresso, uma pauta defendida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Na avaliação de Lira, o ato “não é usual, é uma coincidência trágica dos blindados para Formosa. Isso apimenta este momento”. Os veículos que desfilaram estão a caminho do Centro de Instrução de Formosa, em Goiás, onde haverá treinamento de militares. O presidente Jair Bolsonaro acompanhou o evento da rampa do Palácio do Planalto, onde recebeu o convite para comparecer a uma demonstração operativa que será realizada em 16 de agosto.

Logo após o desfile, parlamentares de diversos partidos fizeram um ato para denunciar o que chamaram de "uma tentativa de constrangimento ao Congresso Nacional e ao povo". Empunhando cartazes com “Democracia” e “Ditadura Nunca Mais”, os parlamentares se reuniram na rampa do Congresso Nacional e caminharam até o Salão Negro da Câmara. Após o ato, os partidos PSB, PCdoB, PDT, PT, REDE, PSOL, PSTU, Solidariedade, DEM criticaram o desfile de veículos blindados e a inclusão da PEC do voto impresso na pauta de votações do plenário, mesmo após ter sido rejeitada pela comissão especial. 

O líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), afirmou que o desfile não constrangerá a Câmara dos Deputados na votação marcada para esta tarde. 

“Não aceitamos as desculpas de que o desfile no mesmo dia da votação foi uma coincidência. Essa foi a forma de constranger a Câmara para aprovar o voto impresso e a melhor resposta será a reprovação da proposta com amplo placar”, afirmou o deputado.

Votação

Caso seja mantida a análise em plenário, a PEC do Voto Impresso precisa ser aprovada por três quintos dos deputados, o correspondente a 308 votos favoráveis, em dois turnos de votação. Se for rejeitada pela maioria dos parlamentares, a matéria será arquivada. 

Se a proposta for aprovada pela Câmara, o texto segue para apreciação do Senado, onde também deve ser analisado em dois turnos e depende da aprovação de, pelo menos, 49 senadores.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais