Política

  1. Notícias
  2. Política
  3. Mais um ministro do STF vota contra reajuste extra para servidores mineiros
Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil

Mais um ministro do STF vota contra reajuste extra para servidores mineiros

A ministra Rosa Weber acompanhou o posicionamento do relator, ministro Roberto Barroso. Agora, o placar está 3 votos contrários a 0 a favor


Por João Henrique do Vale

Mais um ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) votou contra ao reajuste extra para os servidores públicos de Minas Gerais. A ministra Rosa Weber acompanhou o posicionamento do relator, ministro Roberto Barroso. Agora, o placar está 3 votos contrários a 0 a favor. O julgamento, que acontece de forma virtual, segue até esta sexta-feira. 

Além de Rosa Weber e Roberto Barroso, o ministro Alexandre de Moraes também registrou o voto e foi contra a alta diferente no salário dos trabalhadores da saúde, educação e segurança pública

Em seu parecer, o ministro Roberto Barroso alegou que o aumento diferenciado por causar riscos significativos e irreversíveis nas contas do estado. 

"Estão presentes os requisitos para a concessão da medida cautelar, tendo em vista que há verossimilhança das alegações e, principalmente, o perigo na demora é evidente. Caso os pagamentos venham a ser realizados, existe um risco de impacto significativo e irreversível nas contas do Estado, tendo em vista que se trata de verba alimentar que seria percebida de boa-fé. Assim, em juízo de cognição sumária, recomenda-se a imediata suspensão das normas impugnadas inaudita altera pars, ainda que adiante, na análise do mérito, esse entendimento venha a ser revisto", afirmou Barroso em decisão.

O julgamento é sobre uma ação direta de inconstitucionalidade impetrada pelo Governo de Minas. A Advocacia Geral do Estado (AGE) solicitou medida cautelar para suspender, imediatamente, os efeitos da promulgação dos reajustes.

O reajuste extra foi aprovado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Os deputados derrubaram os vetos parciais do governador Romeu Zema (Novo) no projeto original. Com isso, concederam reajustes adicionais de 33% para a educação e 14% para a saúde e a segurança pública. Vale lembrar que o Governo de Minas já tinha concedido aumento de 10,06% a todo o funcionalismo público. 

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais