Carregando...

Política

Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

MPF vai à Justiça contra Pazuello em ação por improbidade durante a pandemia

Procuradores apontam danos de R$ 122 milhões aos cofres públicos e pedem ressarcimento

Por Estadão Conteúdo

O Ministério Público Federal (MPF) entrou com ação de improbidade administrativa contra o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, atribuindo ao aliado do presidente Jair Bolsonaro uma longa série de omissões relacionadas ao combate à pandemia da covid-19, entre elas a "negligência" na compra de vacinas para imunizar a população ainda em 2020 e a "adoção ilegal" do chamado "tratamento precoce" (adoção de medicamentos sem eficácia comprovada cientificamente) "como principal ação de política pública para enfrentar o coronavírus". A Procuradoria aponta quase R$ 122 milhões de dano ao erário.

"Se as decisões de gestão - que deveriam ser técnicas - são adotadas por força de influências externas, está comprovado o comportamento doloso ilícito do Ministro e perfeitamente configurado o ato de improbidade administrativa que, em última análise, é a deslealdade qualificada da conduta do agente público frente ao cidadão a quem deveria servir - é a imoralidade manifesta no trato da coisa pública, visto que a decisão, que deveria ser de âmbito técnico, é adotada para privilegiar, atender, beneficiar não a coletividade/o interesse público mas sim sentimento pessoal ou interesse de terceiro", afirmam os procuradores na ação protocolada na quarta-feira, dia 30.

Na peça enviada à 20ª Vara de Justiça Federal em Brasília, a Procuradoria também ressalta que Pazuello foi "injustificadamente omisso na ampliação de testes para a população e na distribuição de milhares de kits de testes PCR, a ponto de perderem a sua validade nos almoxarifados do Ministério da Saúde". Além disso, o MPF indica que o ex-ministro "agiu deliberadamente para dificultar o acesso da sociedade às informações essenciais sobre a pandemia, suprimindo a publicidade de dados relevantes ao seu acompanhamento e evolução".

Os procuradores afirmam ainda que o ex-ministro da Saúde também foi omisso no papel de gestor nacional do SUS, "ao deixar de coordenar ações de controle, aquisição e distribuição de medicamentos essenciais para pacientes internados por Covid"; e na realização de campanhas informativas e educacionais sobre a necessidade de distanciamento social e o uso de máscaras.

Com relação às vacinas, a Procuradoria aponta que a resistência de Pazuello em negociar a contratação e a aquisição de vacinas, "com a antecedência o planejamento necessários, é injustificável e irrazoável".

"A omissão e a negligência do ex-ministro da Saúde no trato das negociações das vacinas custou caro à sociedade (que sofre os efeitos sociais de uma economia em crise e sem perspectiva de reação), à saúde da população (que amarga índices descontrolados de morbidade e mortalidade por covid-19) e ao SUS (cujos leitos de UTI Covid adulto, só no primeiro semestre de 2020, custaram R$ 42 milhões/dia ou R$ 1,27 bilhão/ mês)", afirmam os procuradores.

Danos

Para apontar o dano de R$ R$ 121.940.882,15 com as "omissões’ no combate à pandemia, os procuradores levaram em consideração: os valores alocados pelo Exército para a produção de cloroquina e sua distribuição; o montante gasto pelo Ministério da Saúde para aquisição de 3,75 milhões de comprimidos de cloroquina; as cifras investidas em campanhas promocionais do tratamento precoce; e os recursos despendidos para a aquisição dos 2,3 milhões de kits de testes PCR perdidos por expiração da validade, estimada para o final do mês de maio.

A Procuradoria frisou que a ação enviada à Justiça nesta quarta não pediu ressarcimento por dano moral coletivo ou pelas perdas de milhares de vidas, decorrentes de eventuais condutas de Pazuello e de outros agentes públicos, no contexto da pandemia. Isso porque tal apuração ainda está em andamento em um outro procedimento do MPF no Distrito Federal.

Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais