Política

  1. Notícias
  2. Política
  3. "Não serão aceitos", diz Zema sobre incidentes com bombas em protesto das Forças de Segurança
Imagem: Reprodução / Twitter

"Não serão aceitos", diz Zema sobre incidentes com bombas em protesto das Forças de Segurança

Pelo Twitter, governador se manifestou sobre jornalistas feridos durante manifestação em BH nesta quarta-feira


Por Victor Duarte

O governador Romeu Zema (Novo) se manifestou contrário aos incidentes com bombas durante protesto das Forças de Segurança do Estado, nesta quarta-feira (9). Pelo Twitter, ele afirmou que atos de desordem "não serão aceitos".

Os servidores estão em greve desde o dia 21 de fevereiro. Eles se mobilizaram nesta quarta-feira, em um protesto que começou na praça da Estação, passou pela praça Sete e seguiu para a Cidade Administrativa

"Manifestar sem infringir a lei é legítimo e democrático. Mas atos de desordem e que coloquem em risco outras pessoas, não serão aceitos. A liberdade caminha junto com a responsabilidade", diz a postagem do governador. 

O chefe do Executivo Estadual também falou sobre os jornalistas atingidos por bombas durante a manifestação. 

"A liberdade de imprensa será sempre defendida, assim como o direito de manifestar, desde que pacificamente", completou. 

A jornalista Laura França, da TV Band Minas sofreu trauma auditivo após uma bomba explodir ao seu lado. Incidente aconteceu na Praça da Estação, no Hipercentro, na parte da manhã. O repórter Caio Tarcia, também do Grupo Bandeirantes, foi hostilizado por manifestantes e teve uma bomba lançada em sua direção. 

O uso de bombas e artefatos explosivos está proibido durante manifestação de servidores da segurança pública do estado. Medida foi decretada pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais, sob pena de R$ 100 mil. Servidores também estão proibidos de irem aos protestos armados.

Reivindicações

O grupo cobra do governador, Romeu Zema, a recomposição salarial das perdas inflacionárias, de 24%, acordada em 2019 pelo chefe do Executivo.

À época, o governador firmou um acordo para quitação de parcelas em junho de 2020 (13%), setembro de 2021 (12%) e setembro de 2022 (12%). A segunda parcela, entretanto, não foi paga.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais