Carregando...

Política

Imagem: Divulgação/Agência Brasil

Sem comprovação científica, juiz de Guaxupé autoriza idoso a tomar terceira dose da vacina

Homem solicitou nova rodada de vacinação após um exame laboratorial não constatar anticorpos totais em seu corpo

Notícias

Lucas Ragazzi

Jornalista dos programas Central 98 e 98 Talks, especialista em política


O Brasil não é para amadores. Nesta sexta-feira (16), o juiz Milton Biagioni Furquim, da 2ª Vara Cível de Guaxupé, no Sul de Minas, autorizou que um senhor de 75 anos receba a terceira dose da vacina contra a covid-19. A decisão foi feita nesta sexta-feira (16) e acatou o pedido do idoso C. C. A. J., que solicitou a nova rodada de vacinação após um exame laboratorial não constatar anticorpos totais em seu corpo. 

Organizações de saúde, especialistas e laboratórios já esclareceram que testes de sorologia não funcionam para "provar" que o organismo humano desenvolveu ou não resposta à vacina, uma vez que os testes podem não detectar os anticorpos específicos produzidos pela imunização, levando, assim, a conclusões incorretas. 

Na decisão, o juiz Milton Biagioni Furquim reconhece que organizações médicas não indicam o teste de anticorpos para checar se a vacina funcionou, mas argumenta que há suposto "debate" no mundo científico sobre a imunização, e pontua que o cidadão teria direito em se cercar com mais doses.

"Nesse contexto, vislumbro na situação sub judice, a necessidade de intervenção do Poder Judiciário, no sentido de conceder uma autorização judicial para que o autor seja imunizado, e assim possa dar continuidade ao seu tratamento de saúde relativo aos problemas pré-existentes, sem que isso implique no temor de contrair o vírus da Covid-19", escreve o juiz.

O idoso C. C. A. J., em seu pedido inicial, argumentou que é cardiopata e diabético, e que tentou receber mais uma dose, após o exame de anticorpos, mas os gestores públicos de Guaxupé não autorizaram a medida. O homem recebeu a primeira dose da vacina CoronaVac em 27 de março e a segunda dose em 19 de abril.

O juiz ainda pontua que a terceira dose não seja da CoronaVac e nem da vacina AstraZeneca, e estipula multa diária de R$ 1 mil ao prefeito de Guaxupé caso a medida não seja cumprida.

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Enquete

Carregando...

Colunistas

Carregando...

Podcasts

Carregando...

Saiba mais