Saúde

  1. Notícias
  2. Saúde
  3. Minas registra dois casos suspeitos de “hepatite infantil misteriosa”
Imagem: Divulgação

Minas registra dois casos suspeitos de “hepatite infantil misteriosa”

Casos já foram registrados em 200 países pelo mundo; Brasil investiga 16 suspeitas


Por Lucas Rage

Minas Gerais recebeu duas notificações da “hepatite infantil misteriosa” que tem deixado autoridades em Saúde em alerta.

Suspeitas foram divulgadas nesta terça-feira (10) pela Secretaria de Estado de Saúde (SES/MG), e são provenientes de Juiz de Fora, na Zona da Mata Mineira, e Belo Horizonte.

“Os casos estão em investigação e acompanhamento, e foram notificados ao Ministério da Saúde. Os principais sintomas relatados foram dor abdominal e vômitos, acompanhados de alterações de enzimas hepáticas”, afirmou a pasta, em nota (veja a íntegra abaixo).

“A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa que foram notificados ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (CIEVS-Minas) dois casos suspeitos de hepatite infantil, de agente etiológico desconhecido. Um caso foi notificado pelo município de Juiz de Fora e um caso foi notificado por Belo Horizonte. 

Os casos estão em investigação e acompanhamento, e foram notificados ao Ministério da Saúde. Os principais sintomas relatados foram dor abdominal e vômitos, acompanhados de alterações de enzimas hepáticas.”

Rio de Janeiro investiga 6 casos

O Rio de Janeiro é o estado com maior número de casos da hepatite misteriosa infantil, sendo 6 ao total (3 no Rio de Janeiro, 1 em Niterói, 1 em Araruama e 1 em Maricá).

Em Maricá, a morte de um bebê de 8 meses é objeto de investigação. O Paraná também registrou casos da doença. Segundo o Ministério da Saúde, 16 casos são investigados no Brasil.

OMS investiga casos

Segundo a Organização Mundial de Saúde, os casos de hepatite misteriosa infantil já foram reportados em 200 países, abarcando América Latina, Europa e Estados Unidos

A doença é caracterizada por uma inflamação abrupta do fígado, e acomete crianças de um mês a 16 anos. 10% dos casos exigiram transplante de fígado.

Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais