Opinião

  1. Notícias
  2. Opinião
  3. Não dá mais para desculpar o racismo
Imagem: Reprodução

Não dá mais para desculpar o racismo

Episódios recentes pelo Brasil apontam que o tema segue, infelizmente, mais forte do que nunca


Notícias

Nely Aquino

Vereadora pelo Podemos, presidente da Câmara Municipal de BH em seu 2º mandato. Fundadora do Projeto Rumo Certo.


 “É coisa de preto”; “O seu cabelo transmite doença”; “Macaco”; “Blackface”.

Crimes de racismo já se tornaram notícias comuns, o que muda são os requintes de crueldade. Foi assim durante essa semana e, no que depender da mobilização das redes sociais, a guerra contra estereótipos que reforçam a opressão está mais forte do que nunca.

E tá certo. Quanto mais nos revoltamos e nos mobilizamos contra o racismo e outras formas de discriminação, sejam motivadas pela cor da pele, gênero ou etnia, maior é a chance de mudar essa realidade e formar uma geração livre da ignorância, com valores e princípios que promovam a equidade de direitos com base na Constituição.

O racismo está em todos os lugares. Em um estádio de futebol com torcedores se divertindo arremessando bananas na torcida rival, referenciando-os como “macacos”; dentro do metrô onde uma mulher negra foi ofendida por ter o cabelo crespo; numa festa universitária onde estudantes pintam os rostos com tinta preta ridicularizando pessoas negras; e até dentro de um parlamento, onde um político praticou crime de injúria racial, em vez de discutir leis de interesse da coletividade e da cidadania.

O Brasil foi o último grande país ocidental a extinguir a escravidão, a forma mais cruel do racismo. Uma das características estruturantes do racismo é alicerçar sua justificativa a partir da convicção de que existe uma distinção natural entre negros e brancos, onde os brancos são portadores das virtudes e os negros da negatividade. A grande questão é que o racismo não é questão de opinião, mas crime previsto no Inciso XLII do Artigo 5º da Constituição Federal: inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. É considerado violação dos direitos e liberdades individuais.

Racismo é exclusão e nós devemos nos posicionar sempre contra a identidade étnica como fator de subordinação social. Junto com os atos, gestos e atitudes, a manifestação do racismo é uma arma potente na difusão do ódio, da violência e da intolerância racial. A revolta nas redes sociais quando casos de racismo acontecem é legítima. Depois da agressão não adianta mais falar “me desculpe, não quis ofender” ou “não foi isso que eu quis dizer”.

Não dá mais para desculpar o racismo.

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais