Atlético

  1. Esporte
  2. Atlético
  3. O tripé do bicampeonato do Atlético
Imagem: ATLÉTICO/DIVULGAÇÃO

O tripé do bicampeonato do Atlético

Os grandes nomes que fizeram história na gigante conquista alvinegra de 2021


Esporte

Leandro Cabido

Comentarista Esportivo


Em qualquer conquista, grande, pequena ou até mesmo épica - existem os aclamados, os protagonistas e também coadjuvantes.

No título do bicampeonato brasileiro, o Atlético teve inúmeros destaques dentro e fora do campo. Porém, três deles se destacam de maneira veemente. 

Vamos começar com aquele que fez tudo ser possível: Rubens Menin. E não adianta alguém querer tirar o mérito daquele que acreditou no potencial do clube e literalmente investiu para que a conquista fosse palpável. 

O Galo conseguiu seu feito com investimento pesado, entrando em forte concorrência com clubes milionários e os superou. Vencer Palmeiras e principalmente o Flamengo - ambos com equipes históricas e fortíssimas - dão indícios das futuras possibilidades do projeto. 

Outro exaltação tem que ser para o técnico Cuca, o maior treinador da história do clube. Não há como contestar um trabalho brilhante, dominando praticamente todas as estatísticas da temporada e deixando claro um papel tático e de gestão imposto pela sua liderança.

O título veio graças ao trabalho fora de série do paranaense, que mostrou toda a sua evolução nos últimos anos e colocou em campo tudo que necessariamente era preciso para se tornar mais uma vez campeão brasileiro.

O comandante, que levantou a América em 2013, tem a chance em 2021 de além do Campeonato Brasileiro, também erguer a Copa do Brasil. Seria um fechamento de ouro para um projeto irretocável. 

E por último está Hulk, que acaba de se tornar um dos maiores nomes da história do Clube Atlético Mineiro.

Grandes equipes precisam de grandes nomes e o atacante é o maior deles. Melhor jogador da temporada no país, o paraibano mudou o patamar do Alvinegro, mostrando de uma vez por todas a sua capacidade. 

Hulk é uma das maiores contratações da história do Galo, e com toda certeza, foi a engrenagem que faltou ao time em outras temporadas. 

Um tripé deste tamanho não poderia terminar de outra forma que não fosse a gigante conquista nacional. Cada um a sua maneira e estilo, com funções completamente diferentes, mas igualmente importantes. 

Todo o processo foi desenvolvido para que o dia 02 de dezembro de 2021 chegasse com todas as glórias. A ousadia que faltou em alguns momentos, sobrou na atual temporada. 

Definitivamente, o Atlético aprendeu e se convenceu de que ser campeão é a melhor maneira de se exaltar uma grande instituição. 

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais