Economia

  1. Notícias
  2. Economia
  3. Economia, política e investimentos: O que esperar de 2022?
Imagem: Pixabay / Reprodução

Economia, política e investimentos: O que esperar de 2022?

Dicas para começar o ano aplicando seu dinheiro nos lugares certos!


Notícias

Samuel Barbi

Especialista em economia, entra ao ar às segundas-feiras com a coluna MundoZFundos, no RádioCast 98


Mais um ano começando e, com ele, surgem novos planos. A ansiedade de um novo ciclo toma conta de nossas ações, agora vai! Enfim, mesmo com o novo ânimo, logo enfrentamos obstáculos no caminho que nos levam a recalcular as rotas. Não se deixe abater, planos muitas vezes são frustrados,mas sem um destino em mente, ficamos à deriva, correndo atrás do próprio rabo.

No mundo das finanças, utilizamos métricas e indicadores para nos orientar e buscar melhores resultados, algo como uma bússola para a navegação. Esse panorama de economia, política e investimentos tem o objetivo de te auxiliar a programar minimamente sua rota para 2022.

1 - INFLAÇÃO

Um dos principais problemas para o novo ano é a inflação, que tem derretido o poder de compra dos brasileiros e elevado a miséria no país. Atualmente o IPCA tem apresentado valores próximos de 10% ao ano e o Banco Central pretende levar esse índice para 5% em 2022

2 - JUROS

A Selic, taxa básica de juros da economia, está em 9,25% e o Banco Central sinaliza que vai continuar em trajetória de alta. Os juros devem subir para algo em torno de 12% em 2022, em grande medida, para tentar reduzir a inflação e também segurar o dólar em algo próximo a R$5,60

3- PIB

As expectativas para o ano de 2022 são de baixo crescimento da economia. Espera-se que o PIB cresça cerca de 0,4%, afetado em grande parte pela desaceleração promovida pelas altas taxas de juros, efeitos colaterais desse remédio contra a inflação e câmbio elevados. O desemprego (12,1%) acaba sendo um resultado muito adverso desse momento econômico que, infelizmente, não deve ter uma melhora expressiva neste novo ano.

4 - POLÍTICA

Acompanhei uma entrevista do João Braga (Encore) e do Fernando Genta (XP) e compartilho de suas visões sobre a política nacional. O barulho político é constante no Brasil, se focarmos nisso para realizar investimentos, estaremos perdendo grandes possibilidades ao longo dos anos. 

Teremos eleições neste ano e o quadro desenhado é relativamente previsível em termos de economia. De um lado Bolsonaro, de outro Lula, ambos já foram presidentes, então sabemos o que esperar da condução de cada um deles. Se houver uma Terceira Via, deverá ser formada majoritariamente de um centro político alinhado a uma economia de mercado. Portanto, não há uma expectativa clara de Venezuelização do Brasil.

As empresas continuarão operando e gerando resultados, mas o desespero e incertezas de curto prazo das eleições pode abrir grandes oportunidades de compra de ativos a valores muito descontados. Quem tiver recursos e coragem, poderá se encontrar emum ótimo momento para construir patrimônio.

5 - INVESTIMENTOS

Nesse cenário, compartilho algumas teses interessantes de investimentos para seu próprio julgamento:

Curto e Médio Prazo (Até 5 anos):

O cenário é favorável a investimentos no exterior, especialmente aqueles relacionados ao dólar. Em época de eleição os riscos no Brasil se elevam, pressionando a fuga de investimentos para outros mercados. Dessa forma, há possibilidades de ganhos na valorização das empresas internacionais, bem como no câmbio.

Atualmente há muitas BDRs (Brazilian Depositary Receipts) em negociação, as quais podem ser compradas diretamente de sua corretora brasileira. BDRs são ativos emitidos no Brasil, mas lastreados em ações do exterior. Na prática, essa é uma das maneiras mais simples de investir em grandes empresas internacionais, sem precisar abrir conta em uma corretora estrangeira ou enviar dinheiro para fora do país.

Particularmente eu gosto muito de Fundos Imobiliários (FIIs). Os efeitos da pandemia em 2020 e da alta de juros em 2021 pressionou relevantemente o valor das cotas dos FIIs. Sua rentabilidade, no entanto, apresenta sinais de melhoria. Há bons fundos com rentabilidade real anual variando de 7,5% a 13%. Lembrando também que seus rendimentos são isentos de imposto de renda!

A renda fixa é uma alternativa que volta a ganhar relevância. Com a alta das taxas de juros e possível arrefecimento da inflação, os retornos reais da renda fixa podem voltar a ser positivos. Nesse cenário são opções interessantes o Tesouro Selic, e os CDBs que pagam mais de 100% do CDI. Cuidado com os títulos pré-fixados, enquanto o Banco Central continuar elevando os juros eles podem te trazer prejuízos se precisar resgatar antes de seu vencimento.

Longo Prazo (Mais de 5 anos):

Neste último ano a bolsa caiu cerca de 12%, frente a desempenhos consideráveis no exterior. As cotações brasileiras tiveram quedas que representam nosso problema fiscal (governo gastando mais que arrecada), as incertezas políticas, bem como em função dos juros altos e do desemprego.

Toda crise traz sementes de oportunidades. A relação Preço/Lucro do Ibovespa (6,7x) está em níveis similares aos das crises de 2002, 2008 e inferiores aos do início da pandemia em 2020. Muitos analistas do mercado e gestores de fundos têm comentado que as ações de empresas brasileiras estão baratas. Sinal de que a lucratividade das instituições está se recuperando. Para quem pensa no longo prazo e acredita que o Brasil pode reverter a crise, 2022 pode ser um bom momento para se expor na bolsa de valores.

Warren Buffet, um dos maiores e mais respeitados investidores do mundo, costuma dizer: “o que os sábios fazem no começo, os tolos fazem no final”. Em momentos de incerteza e insegurança muitas pessoas fogem do mercado, derrubando o valor das ações e gerando excelentes oportunidades de compra. Quando a bolsa estiver estampada em todas as manchetes de jornais, provavelmente, já passou a hora de investir.

Desejo que em 2022 você fuja das dívidas, construa sua reserva de emergência e tome coragem para começar investimentos mais robustos. Acredito que este será um ano cheio de emoções para os investidores, mas quem buscar a coragem de enfrentar as tempestades com seriedade, estudo e atenção, vai encontrar bons ventos dentro de alguns anos. A constância e a paciência são as maiores virtudes no mundo dos investimentos.

* Esta coluna tem caráter opinativo e não reflete o posicionamento do grupo.
Colunistas

Carregando...

Enquete

Carregando...

Saiba mais